Like us On Facebook

13 de fevereiro de 2012

Nayara depõe em júri de Lindemberg


Nayara Rodrigues, amiga de Eloá que foi baleada durante o sequestro ocorrido em Santo André, no ABC, em 2008, começou a depor por volta das 15h desta segunda-feira (13). Ela disse que tinha "boa relação" com o acusado de matar a garota, Lindemberg Alves Fernandes, que é julgado no fórum da cidade.

"Eu tinha boa relação com ele", afirmou a estudante, logo no início do depoimento. Ela é a primeira testemunha de acusação a ser ouvida. Lindemberg foi retirado da sala a pedido da jovem.

Nayara disse que o namoro de Lindemberg e Eloá tinha "idas e vindas". Segundo ela, os dois terminaram "várias vezes". "Uma vez ela não quis voltar e aí ficou conturbado. Lindemberg começou a persegui-la e a agrediu em um ponto de ônibus."

A amiga da garota morta afirmou ainda que ela se sentia ameaçada. "No dia do crime, ele ficou surpreso de ter mais gente no apartamento. Ele entrou já de arma em punho."
Durante o depoimento, Nayara começou a chorar. "Ele batia nela o tempo todo dentro da casa, não largava a arma", disse, emocionada.

"Ele se vangloriava, via tudo pela TV. Deu um tiro no PM e disse: 'É para mostrar que eu não sou bonzinho'." Nayara disse que Eloá ficou "toda roxa, muito machucada."

Retomada
Houve um recesso para almoço das 13h às 14h30. Durante a manhã, houve a exibição de vídeos tanto do Ministério Público quanto da defesa do réu aos jurados. Seis homens e uma mulher compõem o conselho de sentença

Entre as reportagens jornalísticas apresentadas pela advogada Ana Lúcia Assad, que representa Lindemberg, há entrevistas do réu logo após a prisão, em imagens divulgadas por uma emissora de TV, na qual ele diz que “gostaria de voltar o tempo”. Há também entrevistas com Nayara Rodrigues da Silva, mantida refém e baleada por Lindemberg, na qual diz que só efetuou os disparos após a entrada da PM no apartamento.

A promotora Daniela Hashimoto também exibiu um vídeo retratando o comportamento agressivo de Lindemberg Alves.

Testemunhas
A mãe de Eloá Cristina Pimentel, Ana Cristina Pimentel, e o irmão mais novo da jovem de 15 anos morta em 2008 irão depor como testemunhas de defesa no julgamento. Eles substituem duas testemunhas convocadas pela advogada do acusado e que não apareceram no júri – no total, quatro dos convocados faltaram.

A pedido da advogada Ana Lúcia Assad, a mãe de Eloá substituiu uma jornalista e o irmão entra no lugar do perito Nelson Gonçalves, que fez os laudos do caso pelo Instituto de Criminalística (IC). O pedido para a mãe da jovem ser testemunha seria uma estratégia da defesa para tirá-la do plenário e evitar manifestações de emoção que poderiam influenciar a decisão dos sete jurados – seis homens e uma mulher.

Inicio do júri
O julgamento de Lindemberg Alves Fernandes começou por volta 10h50 desta segunda-feira.
O júri presidido pela juíza Milena Dias ocorre mais de três anos após um dos sequestros mais longos do país - cerca de cem horas - acompanhado ao vivo pela TV, que terminou com a morte da estudante, com 15 anos à época.
O réu chegou algemado, mas ficou definido que ele não usará algemas durante o julgamento.

Relembre o caso
Conforme denúncia do Ministério Público, movido por ciúmes de Eloá porque a ex não queria mais reatar o romance de três anos, o então auxiliar de produção Lindemberg, com 22 anos na época, invadiu armado o apartamento em que a estudante morava com os pais em Santo André no dia 13 de outubro de 2008.

Lá, Lindemberg manteve Eloá e outros três colegas de escola dela como reféns - Nayara, Iago e Victor Campos. Depois, os dois meninos foram libertados.
Após cem horas de cárcere privado, a polícia invadiu o apartamento. Durante a confusão, Lindemberg atirou na cabeça de Eloá e na de Nayara. Eloá foi atingida por dois disparos e teve morte cerebral no dia 18 de outubro. Alguns dos órgãos de Eloá foram doados. Nayara foi baleada no rosto, mas sobreviveu.

Dose crimes
Lindemberg responde por 12 crimes. Além da morte de Eloá, são duas tentativas de homicídio (contra Nayara e o sargento Atos Antonio Valeriano, que escapou do tiro); cárcere privado (de Eloá, Victor, Iago e duas vezes de Nayara) e disparo de arma de fogo (foram quatro).
Segundo o Ministério Público, se Lindemberg for condenado por todos os crimes atribuídos a ele, a pena mínima poderá ser de 50 anos e a máxima de 100 anos de reclusão. Pela legislação do país, no entanto, ninguém pode ficar preso a mais de 30 anos.

O julgamento de Lindemberg deve durar três dias, segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

                                Veja abaixo imagens do julgamento




Nenhum comentário:

Subscribe Here

Recent Posts Box 2

Sponsor

Social

Social Share

Recent

Recent Posts

Popular Posts